quinta-feira, 11 de novembro de 2010

"Seddie" in english


Olá, gatinhos e gatinhas! Abaixo, o poema Seddie - agora em inglês. Espero que gostem. Agradeço a profª Cris, por corrigir minha tradução. Comentem, my darlings, please!!!

Seddie
They are differents
They think contrary
What is there behind
When she called him stupid?

What does she hide
Behind of that bad smile?
What does she really want say
When called him coward?

It isn't just a dream
After all there was a kiss
Maybe there can be a "I love you"
in the line spacing of a "I hate you"

Make him a blow´s sack
Can mean
"Hey, do forget Carly
I'm here, stupid, I want be remarked"

A threat, a reaction
Make her game
can be start
of a new emotion

If his feeling
for Carly isn't the same thing yet
Why even send indirects?

Maybe because it's more easy
like somebody that treats him of coll way
than somebody that only
treats him bad

Between so many fight and confusion
Between slaps and insults
Can start a passion

She is a bad girl
He is a nerd
Sam and Freddie
Seddie 4ever!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

iCarly fanfic 7 2ª temporada

Olá, gatinhas e gatinhos! Obrigada pelos comentários. Nova fic. Espero que gostem :) Comentem!!!

*DIREITOS DE iCarly RESERVADOS A DAN SCHNEIDER E A NICKELODEON

***CONTINU@MOS?***

ESTÚDIO DO iC@rly

– Entendeu? – perguntou Carly a Tasha.

– Acho que sim – respondeu a garota.

– Ela vai conseguir – disse Gibby, vestido com uma fantasia de cachorro. – Minha namorada é muito inteligente.

– Ótimo – disse Carly. – Vamos começar? – Ela e Sam posicionaram-se na frente da câmera, que Tasha segurava. – 1,2,3... Oi, eu sou Carly...

– E eu, Sam...

– Peraí – disse Tasha. – A câmera tá desligada.

– Então liga – disse Sam, aborrecida.

– Ahn, ok – Tasha ligou a câmera.

– Oi, pessoal – disse Carly.

– Estamos começando mais um iCarly – disse Sam.

– E temos um mistério – disse Carly, baixando a voz.

– É, fizemos uma brincadeira com o Lewbert e ele achou graça...

– ...quando ele teria gritado...

– ...e xingado...

– Estamos levantando a hipótese de que o Lewbert não é o Lewbert.

– Pode ser o irmão gêmeo bom dele, um robô ou ele está tentando pregar uma peça na gente.

– Vamos ver o vídeo da nossa câmera escondida – disse Carly e Tasha apertou um botão no notebook. Várias bolinhas de ping-pong caíram do teto.

– Ooops...

– Não era isso agora – disse Sam, protegendo a cabeça com os braços.

– Nosso produtor técnico e diretor foi para Austrália – disse Carly, depois que as bolinhas pararam de cair. – E nossa nova assistente ainda está aprendendo.

– Desculpa – disse Tasha, frustrada.

N@ S@L@ DO @P@RT@MENTO

Carly estava ao computador, ao balcão da cozinha, quando Sam entrou com um pote de frango frito.

– Sabe quem me ligou? – perguntou a garota. – A Melanie. Pra dizer que voltou a namorar com o Nevel. E ele vai pro colégio dela toda semana. Eles montaram um webshow sobre ciências. Que idiota assiste um webshow sobre ciências? – ela passou para o outro lado do balcão e viu que Carly estava assistindo ao webshow de Melanie e Nevel. – Não acredito! Você tá compartilhando com o inimigo!

– É muito legal. Eles explicaram as reações químicas que ocorrem no vulcão de papel machê. Você sabia que o nome científico da barata é “Periplaneta americana alba”?

– Ah, fala sério. – Sam foi até a geladeira e pegou um refrigerante.

– Ah, um v-mail do Freddie – disse Carly.

– Legal – disse Sam, aproximando-se. Carly abriu o vídeo.

– “Oi, Sam, oi, Carly. Tudo legal por aqui. Esse é um vídeo pro iCarly. Eu cheguei perto demais de um canguru.” – Apareceu outro vídeo em que Freddie aproximava-se de uma canguru para ver o filhote na bolsa e ela batia nele e saia pulando. As garotas caíram na gargalhada. – “Não se preocupem, estou bem. Nada diferente dos socos da Sam. Uma colega gravou isso. Ela adora gravar nossos micos por aqui. Ligo assim que puder. Só temos duas ligações por semana e tenho que ligar pra minha mãe, se não ela pira. Não sei por quê. Ela liga todos os dias. Bom, então a gente se fala por e-mail. Tchau, meninas.” – A tela ficou escura.

– Vamos continuar com o iCarly? – perguntou Sam, sentando-se no banco.

– Claro! Só precisamos de um produtor técnico. A Tasha tentou ajudar, mas ela não leva jeito.

– Eu sei. Tô com dor de cabeça até agora.

NO SH@KE D@ HOR@

Spencer entrou na lanchonete para comprar rosquinhas e, quando chegou ao balcão, encontrou Verônica, com um homem alto, de cabelo preto curto.

– Oi, Spencer – disse ela.

– Oi, Verônica.

– Esse é o Paul, meu namorado. Esse é o Spencer, o escultor de quem falei. Paul é pintor – informou a Spencer.

– É? O que você pinta? É vanguardista ou clássico? – perguntou Spencer.

– Ahn!? – fez o homem.

– Paul pinta paredes – disse Verônica.

– Ah, desculpa – disse Spencer, envergonhado.

– Meu cartão – disse Paul, dando um cartão para Spencer. – Se precisar pintar seu apartamento.

– Obrigado.

– Tchau – disse Verônica e os dois saíram.

– Tchau – disse Spencer, frustrado.

@P@RT@MENTO DE FREDDIE

Sam tocou a campanhia e a sra. Benson foi atender.

– Olá, sra. Benson, vim buscar o Boo II.

– Por que? – gritou a sra. Benson. – Já não basta ter tirado meu Freddie de mim? – Ela começou a chorar e se jogou no sofá.

– Desculpa, sra. Benson – disse Sam, aproximando-se dela. – Eu só achei que já que o Freddie não tá aqui, a senhora não ia querer cuidar do Boo.

– Não, pode deixar ele aí. – A sra. Benson enxugou as lágrimas. – A casa ficou tão vazia sem o Freddie.

– Eu sei que a senhora tá zangada comigo – disse Sam, sentando-se ao lado dela. – Eu sinto muito. Eu não queria que o Freddie fosse pra Austrália, mas era um sonho dele. Não podia pedir pra ele desisitir por mim.

– Você gosta dele de verdade, né? – perguntou a sra. Benson.

– Gosto.

– Sabe, Puckett, você não é a garota que gostaria que meu filho namorasse, mas acho que pode não ser tão ruim.

– A senhora também não é a sogra dos sonhos.

– E o webshow? Tiveram alguns problemas, né?

– A senhora assistiu?

– Às vazes, eu assisto.

– É, sem o Freddie, o iCarly não é a mesmo. Precisamos de um produtor técnico ou não vamos poder continuar.

– Acho que eu posso ajudar vocês.

ENQU@NTO ISSO

– Você não vai acreditar – disse Spencer a Carly, entrando no apartamento.

– Tá ok... – disse ela ao telefone. – O Spencer chegou aqui... Tá. Tô morrendo de saudades. Tchau... – ela desligou. – O que foi?

– Eu estava no Shake da Hora e a Verônica me apresentou o namorado dela. Quando cheguei aqui o mesmo cara tava beijando a Gabriella, na recepção.

– Sério? – Carly pegou um suco na geladeira.

– É. Preciso abrir os olhos da Verônica.

– Ela não vai acreditar em você – disse Carly. – Ela deve tá apaixonada por ele. Vai achar que tá tentando separar os dois.

– Não vai, não – Spencer pegou o telefone, quando a sra. Benson e Sam entraram no apartamento.

– Carly, temos um novo produtor técnico – disse Sam –, ou melhor, produtora técnica.

– Quem?

– Eu – disse a sra. Benson.

– Quê!? – fez Carly, engasgando com seu suco. – Mas a senhora entende de computadores?

– O Freddie me ensinou.

– Ela não acreditou – disse Spencer.

– Eu disse – disse Carly.

– Mas não vai ficar assim. – Ele saiu.

– E, aí, a sra. Benson pode ficar ou não? – perguntou Sam.

– Pode – disse Carly. – Mas o senhora não vai nos dizer o que fazer.

– Desde que não façam nada perigoso ou errado.

– Lá vamos nós – disse Sam.

N@ RECEPÇÃO

– Ei, Chuck – disse Spencer, quando viu o garoto saindo de bicicleta.

– Que é?

– Pode fazer um favor pra mim?

– Por que?

– Porque seu pai não sabe que você roubou os controles de TV...

– Tá. O que quer?

– Entrega este bilhete a Gabriella pra mim – disse Spencer, passando um papel dobrado para ele. – Não diga que fui eu que mandei. Não tente nenhuma gracinha.

– O que eu ganho?

– Nada...

– Nada feito...

– Tá bom. Um lanche no Shake da Hora. – Chuck subiu de elavador e Spencer saiu.

UM@ HOR@ DEPOIS

Gabriella e Paul estavam beijando-se, sentados a uma mesa mais afastada, no Shake da Hora. Verônica entrou e viu a cena.

– Paul? – disse ela, balançando negativamente a cabeça e saiu. Paul foi atrás dela. Gabriella também saiu.

– Espero que a Verônica fique bem – dise Spencer, triste.

– espero que meu cheeseburguer com fritas chegue logo – disse Chuck, feliz.

UM@ SEM@N@ DEPOIS

– Temos uma nova assistente técnica, enquanto Freddie não volta – disse Carly para câmera.

– É a sra. Benson, mãe do Freddie – disse Sam. – Diga “olá” para o público, sra. Benson.

– “Olá para o público, sra. Benson” – disse Marizza, virando a câmera para ela própria.

– Ela já tá no clima do programa – disse Sam, rindo.

– Hora de terminar, garotas – disse a sra. Benson. – Preciso lavar as paredes da cozinha hoje.

– Ok, tchau, pessoal – disse Carly.

– Até semana que vem – disse Sam, A sra. Benson desligou a cãmera.

– Obrigada, sra. Benson – disse Carly.

– De nada. Preciso ir – ela colocou a cãmera no tripé e entrou no elevador.

– Quem diria que ela poderia ser legal, né? – perguntou Sam.

– O Freddie não acreditou quandou mandei um e-mail contando tudo. – As duas sentaram-se nos pufes. – Ahn, Sam...eu sinto muito pelo Freddie ter ido embora...é tudo culpa minha.

– Claro que não, Carly. Ele não poderia perder essa chance... E eu sei que vocês não se beijaram de verdade – disse Sam. – Esquece, para de se culpar.

– Valeu, Sam...

– E o Spencer? Tá saindo com a Verônica de novo?

– Ela ficou na deprê por causa do ex-namorado, mas aceitou sair com o Spencer hoje.

– Legal... Tô com fome.

– Sempre – disse Carly, rindo. As duas levantaram-se e saíram do estúdio.

FIM

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Parando para refletir

(imagem:icarly.wikia.com)

Você acha que já fez o suficiente para realizar seus sonhos? Acha que já chorou demais e não tem mais forças? Acha que ninguém gosta de você? Ou que ninguém dá valor ao seu talento, nem reconhece o seu trabalho? Pense de novo.
Quando achar que já fez tudo que podia, faça mais. O caminho para realização dos sonhos é muito difícil de trilhar, mas acredite e nunca desista. Às vezes, tudo é tão pesado, que você desaba. Mas não se preocupe; depois do choro, o sorriso é mais gostoso, mais feliz, mais franco. Depois da tempestade, o azul do céu é mais intenso. Olhe ao redor e perceba as pessoas que torcem por você, que te amam, acreditam no seu potencial. Aquelas que não exigem que você seja o/a mais bonito/a, o/a mais popular; gostam de você do jeito que é. E lembre-se: não se pode agradar todo mundo.
Estou concluindo o Ensino Médio e tenho refletido, principalmente, sobre esses dois últimos anos - que foram muito tumultuados - e sobre essa nova etapa da minha vida. Foi difícil, mas tenho aprendido muito e recebdido muitas surpresas boas.
Devo agadecer a Deus por estar sempre a meu lado, segurando minha mão e acalmando meu coração e a minha família - May, eu te amo muito, "você é razão porque eu não tenho medo de voar". Agradeço a Thai (@
TaiHanatricia), uma amiga muito especial, que Deus mandou para minha vida, Lety, Carol, Gaby, Karem, Lilia, Rhaabe, Gi (@giovanamaria2 ), às garotas do Clube de Leitura(http://clubedeleituraathena.blogspot.com/) - foi maravilho conhecê-las -, Lipe O. (@ filipeoliveira5 ), meu amigo muito fofo e querido, Lipe R., o meu colírio nº 1 do colégio. Obrigada, Ingrid e Bia(que amam as minhas fanfics), Rai, Di (@diianandrade ), Xandy, Eric, Lary...
Agradeço a todos os meus professores, do primário ao Ensino Médio - foi um privilégio ser aluna de vocês. Em especial, profª Conça, Profª Ana Carolina, profª Gabriela, prof. Leonardo, profª Cris (minha diva), profª Marivone Pimentel, profª Elenita, profª Walzenaide - obrigada pelo incentivo, apoio e críticas construtivas. Amo vocês! E, por último, mas não menos importante, muito, muito obrigada, aos leitores do meu blog: Feeh (@
Feeh_Mendes ), Manu(@minnettemanu ), Maria Flora, Samya, João Vitor, Feeh(@FeehZitaah ), João Victor(http://icarlyfanfics.blogspot.com/), Gabrielly(@icarlybest) , Lu, Gustavo(http://espacodopotter.blogspot.com/), @TeamSeddieBr, Júlia, Mah (espero que não tenha esquecido ninguém)... e Adam(@adamserafim) - obrigada pelo apoio, sinto-me honrada por você gostar do meu blog, eu sendo uma iniciante e você um super blogueiro! Vocês tornaram meu 2010 muito melhor, com seus comentários de incentivo, elogios e sugestões. Obrigada pelo carinho. Amo vocês!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

CRIFFIN


Ele parecia um delinquente
Roubou a moto do irmão dela
O que ela queria
é que ele estivesse preso numa cela

Era o fim
Spencer perdoar
E ainda para casa deles
o garoto convidar

Bem alta uma canção
Ela foi reclamar
Bateu forte o coração
Eles começaram a se beijar

A proibição conseguiram vencer
E pareciam apaixonados para valer
Porém ela não sabia
que ele colecionava mascotes-bebês

Ela fez uma piada
e ele não gostou
Ele foi embora
e ela não se importou

Num reencontro
olhares e sorrisos
Uma tentativa de beijo
O fim do romance não é preciso

Não será diferente:
Carly e Griffin
Criffin para sempre!